Compartilhando idéias para alcançar a liberdade financeira.

Na parte I tiramos importantes conclusões a respeito do retorno, risco e correlação entre os ativos e a importância do rebalanceamento do portfólio.

Concluimos que devemos analisar todos os fatores em conjunto, nunca olhando apenas para um fator isolado. Vimos também que o ato de rebalancear a carteira, embora não queira dizer que aumentará o retorno, ele é um excelente meio de reduzir o risco do portfólio.

Acredito ser importante dizer que rebalancear a carteira é uma forma de se apoiar na teoria da regressão à média. Ou seja, caso um ativo esteja tendo uma performance fantástica nos últimos anos ele provavelmente não irá apresentar a mesma proporção de ganhos no futuro, retornando para sua média histórica.

A teoria também implica no fato de que todos os ativos passam por momentos muito pessimistas (muito abaixo da média histórica)e muito otimistas (muito acima da média histórica), sendo necessário controlar o risco da carteira  (através do rebalanceamento) sempre que um ativo tiver um grande desvio percentual (ex. 20%) em relação ao seu percentual original.

No artigo passado, o período analisado compreendeu-se entre julho de 1994 e setembro de 2009. Agora, o foco estará no período de janeiro de 1999 até setembro de 2009. Vamos analisar como os dois portfólios se comportaram nesta novo período.

  • Portfólio 1: 50% Selic / 50% Ibovespa
50% Selic_50% Ibovespa (1999-2009)
50% Selic_50% Ibovespa (1999-2009)

Clique para ampliar

A imagem acima nos mostra a evolução de $1 ao longo de todo o período. O portfólio é o mesmo nas três ocasiões. A única diferença é o uso (ou não) do rebalanceamento da carteira. Novamente, podemos tirar a conlusão de que rebalancear a carteira (seja através do desvio de 20% ou de 10%) aumentou o retorno total do portfólio.

  • Portfólio 2: 50% Dólar / 50% Ibovespa
50% Dólar_50% Ibovespa (1999-2009)
50% Dólar_50% Ibovespa (1999-2009)

Clique para ampliar

Da mesma forma que no período de 1994-2009, no período de 1999-2009 podemos ver claramente que não rebalancear o portfólio trouxe um risco bem maior (maior volatilidade) do que rebalancear o portfólio (neste caso o desvio de 20% foi superior ao de 10%).

Visando tirar uma melhor conclusão entre estes dois portfólios necessitamos avaliar os dados em conjunto e em uma tabela comparativa.

  • Evolução de $1 do Portfólio 1 (50% Selic / 50% Ibovespa) e Portfólio 2 (50% Dólar / 50% Ibovespa)
Selic x Dólar (1999-2009)
Selic x Dólar (1999-2009)

Clique para ampliar

No gráfico acima podemos perceber que usei o desvio percentual de 20% para rebalancear os diferentes portfólios. Neste período (1999-2009), embora o portfólio 1 (Selic + Ibovespa) tenha sido melhor do que o portfólio 2 (Dólar + Ibovespa), esta constatação não é tão obvia, pois tivemos um grande período em que o portfólio 2 performou melhor do que o 1.

Alguns fatos a se obervar:

(a) Neste período, a correlação negativa entre o Dólar e o Ibovespa se intensificou (enquanto era de -0,40 no período anterior (1994-2009), agora ela é de -0,65). Este fator certamente ajudou o portfólio 2, embora ainda assim, a correlação nula (a correlação entre Selic e Ibovespa se manteve em zero) foi superior a correlação negativa.

(b) Não devemos apenas nos prender a correlação entre os ativos. Devemos também analisar o retorno e o risco destes. Enquanto a Selic teve um retorno médio de 15,85% ao ano neste período, o Dólar teve um retorno médio anual de 8,33% no mesmo. Mesma que a correlação negativa tenha se intensificado (de -0,40 para -0,65) e o retorno tenha aumentado (de 7,69% para 8,33%) o portfólio composto por Dólar e Ibovespa foi inferior ao portfólio composto por Selic e Ibovespa.

(c) O período inicial da análise (1999 até 2002) favorece bastante o dólar em relação à Selic. Só em janeiro de 1999, a valorização do Dólar foi de 73,97% devido a abertura das bandas cambiais. Ainda há o período de Bear Market na bolsa entre 2000-20002, em que o dólar alcançou sua marca histórica de R$ 4,00 em 2002. Após este período, o Dólar vem se enfraquecendo constantemente. Mesmo com a crise de 2008, o Dólar já voltou ao patamar anterior à crise.

Comparativo_Selic x Dólar (1999-2009)

Comparativo_Selic x Dólar (1999-2009)

Na tabela acima podemos ver melhor a diferença entre os portfólios sob diversas perspectivas.

Conclusões:

(a) Desta vez os dados condizem melhor com o fato de que rebalancear o portfólio ajuda bastante a reduzir o risco. Em todas as ocasiões o desvio-padrão anual foi menor rebalanceando do que não rebalanceando.

(b) A diferença entre os dois tipos de rebalanceamento novamente é pequena. Como já disse anteriormente, se fosse escolher entre um ou outro, certamente escolheria o desvio percentual de 20%, já que incorreria em menores custos (low turnover).

(c) Novamente, podemos ver na tabela o exemplo claro do efeito da volatilidade no retorno total do portfólio. No portfólio 2 (Dólar + Ibovespa) atentem para o retorno total, o retorno médio e o desvio padrão com o rebalanceamento de 20% e sem rebalanceamento. Não rebalancear implicou em uma maior volatilidade  (21,35% contra 18,38%) do que o rebalanceamento com 20%, fazendo com que o retorno médio (mesmo maior do que o retorno médio do rebalanceamento com 20%; 17,71% contra 17,33%) gerasse um retorno total menor que o outro caso (432,88% contra 445,98%).

(d) Acredito que a conclusão mais importante é a avaliação de risco entre os dois portfólios. Surpreendentemente, o portfólio com uma correlação nula (Selic + Ibovespa) apresentou menor volatilidade do que o portfólio com correlaçao negativa (Dólar + Ibovespa), além de um maior retorno. Avalie bem os três fatores (retorno, risco e correlação) em conjunto para ter uma melhor idéia do comportamento dos ativos. Nunca avalie apenas um item isolado.

Observação: Os dados acima não sugerem que uma alocação entre Selic e Ibovespa será superior à uma alocação com Dólar e Ibovespa (embora eu particularmente acredito que as chances são grandes). Também não sugerem que devemos ou não alocar em dólar no nosso portfólio (este será um assunto para artigos futuros).

A composição do portfólio deve sempre refletir as necessidades do investidor. A gama de classes e ativos para se incluir em um portfólio vai muito além destes três analisados. Pretendo abordar através de artigos as diversas classes e ativos que podem compor um portfólio além de suas vantagens e desvantagens.

Apenas por curiosidade, irei desenvolver a parte III deste artigo comparando estes mesmos portfólios. O período  analisado será de janeiro de 2008 até setembro de 2009.

Comentários em: "Comparando Portfólios: Selic vs Dólar (parte II)" (6)

  1. Henrique, sua série de artigos sobre a importância de um portfólio diversificado e que apresenta correlação negativa entre os ativos está sendo muito proveitoso para mim, que acrescento novos conhecimentos a cada novo artigo.

    Parabéns pela didática na exposição de um tema que exige amadurecimento de idéias e capacidade de transmissão de dados. Continue assim!

    É isso aí!
    Um grande abraço e que Deus lhes abençoe!

  2. Henrique Carvalho disse:

    Hotmar,

    Obrigado pela constante presença aqui no blog!

    É sempre muito bom saber que os textos estão agradando a quem os lê!

    Grande Abraço!

  3. Belo blog, Henrique, bastante completo e bem apresentado. Já está na minha lista.

    • Henrique Carvalho disse:

      Muito obrigado pelo comentário Matheus!

      Estou acompanhando o seu trabalho no longadata e está muito bom!

      Abraços!

  4. […] Comparando Portfólios: Selic vs Dólar (parte II) […]

  5. […] o AutorSobre o Site ← Comparando Portfólios: Selic vs Dólar (parte II) Análise de ativos para se incluir em um portfólio […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: