Compartilhando idéias para alcançar a liberdade financeira.

Posts marcados ‘Diversificação’

Carteira HC Investimentos – Dez [+2,36%] | Ano [+14,42%]

Durante o ano de 2010 disponibilizei a minha carteira pessoal de investimentos, assim como as estratégias que tomei e minhas avaliações de futuros cenários. Meu objetivo era mostrar que todos podem investir da mesma forma como os fundos profissionais.

Neste artigo, trago uma abordagem detalhada sobre o ano de 2010, analisando a rentabilidade da Carteira HC com diversos ativos e fundos, a evolução da alocação e da rentabilidade da carteira, rendimentos mensais em 2010, operações realizadas no ano e estatísticas gerais como retorno no ano, risco (volatilidade) e índice sharpe. Ademais, disponibilizo ao final do artigo a planilha utilizada para realizar todos os cálculos, tabelas e gráfico. Boa Leitura!

Benefícios da Alocação de Ativos. Adotando uma estratégia de alocação de ativos, diversificando a carteira com vários ativos, podemos progredir no mercado sem abalar nossa saúde física e mental. A tranquilidade desta estratégia que venho “pregando” neste ano nos permite utilizar os investimentos para gerarmos renda passiva, aquela que vêm na forma de lucros e juros, sem necessidade de trabalho adicional. É praticamente um meio de deixar a carteira em piloto automático e fazer pequenos ajustes ao longo do tempo.

Rentabilidades Mensais. O mês de dezembro foi excelente para a Carteira HC Investimentos, que apresentou uma rentabilidade de +2,36%, valor que, por coincidência, foi a mesma rentabilidade apresentada pela bolsa no mês. O CDI teve valorização de +0,93%.

Rentabilidades Anuais. No ano, a Carteira HC Investimentos teve um desempenho de +14,42%, valor que representa uma rentabilidade de 149,03% do CDI, que terminou o ano com variação de +9,67%. O Ibovespa teve uma pequena valorização de +1,04% no ano. Superar o Ibovespa e o CDI no ano poderia deixar muitos investidores contentes. Entretanto, eu gosto sempre de desafiar meus limites. Minha meta no ano era superar a rentabilidade do lendário Fundo Verde da Credit Suisse Hedging Griffo, que apresenta um patrimônio líquido superior a R$ 2,5 Bilhões e uma rentabilidade anual superior a 33% desde 1997.

No final de novembro, a Carteira HC Investimentos estava com uma rentabilidade acumulada de 11,78% contra 12,36% do Verde. Praticamente 0,60% atrás. Será que a rentabilidade de no mês 2,36% foi suficiente para superar o Verde e fechar o ano de 2010 com chave de Ouro?

Avaliação de Desempenho

SIM! Consegui fechar o ano no primeiro lugar do ranking dos Fundos de Investimentos que acompanho. O Verde teve uma rentabilidade de +1,23% no mês de dezembro, fechando o ano com rentabilidade de +13,75%. Um valor impressionante dado o baixo rendimento da bolsa no ano. Segundo o relatório do próprio fundo, o destaque da carteira foram as ações, cuja rentabilidade no ano foi de +8,12%.

Superar o fundo de investimento que mais admiro, tanto pela sua excelente gestão como pelos relatórios cheios de valor, foi uma grande conquista pessoal. Até o dia 17/12 já havia praticamente desistido desta meta, já que minha rentabilidade estava abaixo do Verde. Entretanto, a rápida subida de alguns ativos na carteira tornaram este sonho uma realidade.

Rentabilidade Mensal

1. Fundos Imobiliários [+6,67%]. Os principais ativos que foram responsáveis pela rentabilidade de +2,36% da Carteira HC Investimentos foram os fundos imobiliários, com destaque para o FPAB11, que subiu incríveis +10% em apenas um único dia, conforme destaquei através do twitter e do facebook. FFCI11 e WPLZ11B também subiram forte no mês, corroborando para uma rentabilidade de +6,67% no agregado dos Fundos Imobiliários.

2. Ações [+4,47%]. Além destes fundos, PETR4, com uma rentabilidade de +11,85%, foi também decisiva, já que, mesmo tendo apenas uma alocação de 2,50% na carteira, compõem em grande peso o PIBB11, que registrou rentabilidade de +3,74%, valor acima do Ibovespa, que acumulou alta de +2,36% no mês. No agregado, a carteira de ações rendeu +4,47%.

3. Câmbio [-3,33%]. Teve baixo rendimento com a queda de -3,11% do Fundo Cambial (Dólar Comercial caiu -2,91%) e com a queda do Ouro de -3,53%, gerando um resultado agregado do Câmbio de -3,33%.

4. Renda-Fixa [+1,27%]. Títulos públicos prefixados e indexados à inflação renderam mais do que posfixados no mês. Destaque para a NTN-BP 2015, com rentabilidade de +2,03%. As novas debêntures pouco agregaram ao portfólio já que têm menos de um mês de operação.

Dúvida na Precificação. Não consegui precificar a debênture BNDS 25, já que não encontrei seu Preço Unitário (PU) histórico. Esta debênture é remunerada através da taxa de juros do contrato de DI de 3 meses + a sobretaxa fixa de 0,3%. Poderia utilizar os preços no mercado secundário, porém, como estavam muito próximos do valor de face (R$ 1.000), optei por considerar o preço no final de dezembro como R$ 1.000, dando 0% de rentabilidade. O que vocês sugerem para melhorar esta precificação?

Alocação de Ativos

Faço sempre questão de frisar em toda atualização da carteira: “A alocação de uma carteira de investimentos é responsável por praticamente 90% de seus resultados no longo prazo. Portanto, mais importante do que market timing e a escolha de ativos (asset picking) é a alocação que você define para cada ativo de seu portfólio”. No gráfico abaixo podemos observar a alocação de ativos em conjunto com a rentabilidade de cada classe de investimento.

clique na imagem para ampliar

1. Renda-Fixa [+12,53%]. A rentabilidade acumulada de +12,53% na Renda-Fixa, acima do CDI no mesmo período com valorização de 9,75%, pode ser explicada através da maior alocação nos títulos públicos prefixados e indexados à inflação, cuja rentabilidade foi superior aos títulos posfixados. A alocação em Renda-Fixa manteve-se sempre próxima de 40%, patamar que considero neutro para a Carteira HC Investimentos.

2. Fundos Imobiliários [+29,96%]. Campeão de rentabilidade, o investimento nos fundos imobiliários trouxe ganhos de quase +30% no ano, valor mais de 3 vezes superior ao CDI no período. Em relação à média dos Fundos Imobiliários, cuja rentabilidade foi de 26,87% (mais detalhes ao longo do artigo), minha carteira mostrou boa escolha de ativos (asset picking), além de bom market timing, embora a influência destes no resultado geral tenha sido baixa.

3. Câmbio [+10,36%]. Do lado positivo, o Ouro colaborou com uma rentabilidade superior a 30% para o portfólio, enquanto o Dólar, através do Fundo Cambial, apresentou baixa de -4,32%. No agregado, o resultado da carteira de câmbio ficou em +10,36%.

4. Ações [+0,13%]. Ligeiramente abaixo do Ibovespa no ano (+1,04%), a carteira de ações teve um desempenho de +0,13%. O principal fato para este resultado foi o investimento no PIBB11, que sofreu com a queda da PETR4 no ano, no valor de -23,54%.

Evolução da Alocação

No gráfico acima podemos acompanhar a evolução da alocação da Carteira HC Investimentos. Alguns destaques são necessários:

1. Alto Hedge até maio/2010. A decisão de manter uma alocação próxima entre ações e câmbio no início do ano se deu através de um estudo do Equity Risk Premium no Ibovespa, que mostrou uma oportunidade para reforçar a proteção, ou seja, deixar a alocação em câmbio acima do normal, que seria algo em torno de 10%. Esta decisão mostrou-se correta, já que a rentabilidade da Carteira HC Investimentos estava em +4,11% até maio/2010, enquanto o Ibovespa apresentava perdas de -8,09% no mesmo período.

2. Aumento da alocação em Ações. Após o Ibovespa apresentar uma queda no ano de quase -15% durante o mês de maio resolvi vender parte da alocação em Renda-Fixa e em Câmbio para elevar a alocação em Ações de 20% para 30%. Esta documentação pode ser encontrada neste artigo sobre a Carteira HC Investimentos no mês de maio.

3. Aumento da alocação nos Fundos Imobiliários. Ao aumentar a alocação de 10% para valores próximos a 20%, foi possível aproveitar o bom momento destes fundos no ano, cuja rentabilidade média no período foi de +26,87%, conforme detalhado no gráfico abaixo.

Rendimentos Mensais

Abaixo, podemos conferir uma tabela com todos os rendimentos recebidos na Carteira HC Investimentos em 2010. Todos isentos de Imposto de Renda e apresentando um bom yield. Como é bom acessar a conta e ver o dinheiro entrando todo mês!

Operações em 2010

Abaixo, uma lista com todas as operações realizadas em 2010. Na tabela à direita, é possível encontrar a rentabilidade total de cada operação de venda, além da rentabilidade anualizada.

Compras. O mês de dezembro foi corrido nas operações realizadas. A compra de dois novos Fundos Imobiliários, Floripa Shopping (FLRP11B) e Campus Faria Lima (FCFL11B) já apresenta rentabilidade positiva até hoje, respectivamente de +2,31% e +4,47%. Além destes fundos, foram compradas também as novas debêntures do BNDES.

Vendas. No lado da venda, optei por liquidar a posição no Shopping West Plaza, decisão que, embora no lucro, foi tomada muito cedo, abaixo da meta dos R$ 105,00. Hoje, o fundo já está cotado próximo de R$ 110,00. Outro fundo vendido foi o Projeto Água Branca. Infelizmente, a ordem foi parcialmente executada e só consegui vender em torno de 50% da posição ao preço de R$ 300,00. Hoje, o fundo está cotado a R$ 285,00.

Estatísticas

Quer saber como se comportaram vários ativos no ano? Abaixo, apresento tabelas e gráficos que analisam a rentabilidade, o risco e o índice sharpe de cada ativo.

clique na imagem para ampliar

Retorno. O Ouro teve um excelente desempenho no ano, com rentabilidade acumulada de 32,27%. Na parte de baixo do gráfico, encontramos o azarão de 2010: PETR4, com uma rentabilidade negativa de –23,54%. Conheço muitos investidores que alocam 100% em PETR4. Não sou favorável nem a 100% em Fundos de Índice de Ações, muito menos 100% em uma ação individual, sujeita a muito mais riscos. Diversificar é preciso!

Lembre-se que diversificação não significa reduzir retorno. Ela pode também aumentar o retorno. No caso, a Carteira HC Investimentos fechou o ano com rentabilidade no valor de 14,42%, acima do Ibovespa, do CDI e do Verde, estando amplamente diversificada.

Risco. Medido através da volatilidade (desvio padrão anual das rentabilidades mensais), apresenta-se em ordem dos menos arriscados para os mais arriscados no gráfico. A poupança aparece como o ativo menos arriscado e VALE5 como o mais arriscado.

Notem que o risco da Carteira HC Investimentos, no valor de 4,47%, foi menor do que o Fundo Verde. Maior retorno com menor risco, uma ótima combinação!

Sharpe. O índice sharpe mede o quanto de retorno foi gerado acima do CDI (ativo livre de risco) por unidade de volatilidade. Seu cálculo é realizado deste modo: ( Retorno do Ativo – Retorno do CDI ) / Volatilidade do Ativo. No caso da Carteira HC, o índice sharpe foi de 1,04 [ ( 14,42% – 9,75%) / 4,47% ].

Este é um índice interessante pois avalia tanto o retorno como a volatilidade. Notem como a VALE5, mesmo com um retorno maior do que a Carteira HC Investimentos, teve um índice sharpe menor, no valor de 0,30. Este resultado deve-se ao fato deste ativo apresentar alta volatilidade, de 28,31%.

Não existe um valor bom para o índice sharpe, porém, valores acima de 1,0 são bons, já que o retorno acima do ativo livre de risco (4,67% no caso da Carteira HC) supera a própria volatilidade do ativo (4,47%).

Download da Planilha

Conforme já é prática aqui no HC Investimentos, disponibilizo abaixo a planilha utilizada para realizar todos os cálculos, tabelas e gráficos desta atualização mensal.

(Excel versão 2007 | Excel versão 2003)

Conclusão

Alocação de Ativos. Gostaria de recapitular mais uma vez a importância da alocação de ativos. Ao escolher corretamente os ativos para se compor uma carteira e saber estipular o percentual que será aplicado em cada um deles, você estará dando um longo passo na sua caminhada para a independência financeira.

Frases Inspiradoras. Abaixo, deixo uma mensagem de apoio a todos que estão neste duro caminho que é a conquista da independência financeira. É bom nos inspirarmos em grandes pensadores para termos força de perseguir nossos objetivos.

“There is no wealth like knowledge, no poverty like ignorance.” – Benjamin Franklin

“An investment in knowledge always pays the best interest.” – Benjamin Franklin

Lembre-se que a pior atitude que podemos tomar é nos acostumarmos a uma zona de conforto. Para progredir no mercado (e na vida) é preciso sempre buscar novos caminhos, solucionar novos desafios, encontrar novas perguntas. Não deixe de aprimorar sua inteligência neste caminho.

“Compound interest is the most powerful force in the universe.” – Albert Einstein

Deixe que os juros compostos façam seu trabalho no longo prazo. De nada adianta focar na rentabilidade de curtíssimo prazo se você não conseguir mantê-la. Tenha a disciplina para seguir sua estratégia, paciência para esperar oportunidades de compra e venda de ativos e o auto-conhecimento para saber lidar com suas emoções, evitando algum viés na tomada de decisão.

“The man who moves a mountain begins by carrying away small stones.” – Confucius

Grandes conquistas são feitas com pequenos passos. O importante é começar a mudança e manter o fogo dela sempre acesso dentro de você. Não importa o tamanho de sua meta, de seus objetivos, tenha sempre em mente que você precisa estar em movimento. Se hoje você sofre com overdose de informações no mercado financeiro aproveite para refletir quais notícias são realmente importantes. Foque em estudos, leituras e trabalhos que você sabe que são importantes. Procure não adiar seus objetivos ou dar ouvidos ao ato de procrastinar.

Futuro da Carteira HC Investimentos. Esta foi a última atualização da Carteira HC Investimentos. Como alguns amigos já estão cientes, o Clube de Vienna, análise financeira independente, da qual sou sócio junto com meus queridos parceiros Jonas Fagá Jr. e Roberto Akira, lançou um novo website. Estarei dedicando maior tempo para o aperfeiçoamento do site, dos artigos da página inicial e da gestão do Vienna Renda e Dividendos, que terminou o ano com uma rentabilidade ainda melhor do que minha carteira pessoal.

O blog HC Investimentos continuará firme e forte. A única diferença será que agora vocês podem encontrar meus artigos e análises nos dois sites. Aliás, se você acredita na qualidade dos textos escritos aqui no HC Investimentos, não deixe de conferir os artigos da página inicial do Clube de Vienna. Ademais, se preferir, você pode nos acompanhar pelo Feed RSS, pelo Twitter, pelo Facebook ou assinando a newsletter (à direita do site) com artigos especiais.

Opiniões. Amigos, qual a opinião de vocês sobre o ano de 2010? Em que acreditam que possam melhorar a gestão de suas carteiras em 2011? Qual a maior preocupação de vocês para este novo ano?

Compartilhe. Se você gostou deste artigo, convido-o a compartilhá-lo para seus amigos. Basta escolher o modo adequado (twitter, facebook, etc) e clicar no botão desejado.

Que 2011 seja um ano tão ou mais próspero como foi 2010!

Carteira HC Investimentos – Novembro/2010 [+0,78%]

Mais um mês positivo para a Carteira HC Investimentos! Mesmo com o Ibovespa apresentando uma queda de -4,20%, a Carteira teve uma rentabilidade de +0,78% no mês de novembro/2010, acumulando +11,78% no ano.

Este valor representa 135,91% da rentabilidade do CDI no mesmo período. Considero um ótimo resultado para um ano em que a Bolsa está com uma rentabilidade negativa de -1,43%.

Comparação de Rentabilidade

Os Fundos Multimercados que utilizo como benchamarks da eficiência de minha gestão tiveram mês razoável, ficando abaixo do CDI, com exceção do Verde da CSHG. Após este mês, apenas este fundo está acima do CDI.

Acompanhe no gráfico abaixo a evolução da rentabilidade acumulada da Carteira HC Investimentos e de seus benchmarks.

O excelente fundo Verde da Credit Suisse Hedging-Griffo teve novamente o melhor desempenho no mês [+2,19%]. É impressionante como este fundo apresenta ótimos resultados em momentos de stress no mercado. Estou curioso para ler o relatório do fundo para saber qual estratégia foi utilizada. Provavelmente alguma posição em dólar futuro ou opções em dólar que garantiu um bom hedge. Provável também que o resultado nas ações tenha sido bem melhor do que o Ibovespa. Resta aguardar…

Com esta ótima rentabilidade no mês, perdi a primeira colocação e estou 0,60% atrás deste fundo. Assim como foi o campeonato brasileiro, a decisão ficará para o último segundo.

É importante lembrar que o benchmark oficial sempre será o CDI, porém, ao adicionar os melhores fundos multimercados como comparação, traçamos um objetivo de se equiparar a indústria de fundos profissionais.

Que tal analisarmos em detalhes a Carteira HC Investimentos para compreendermos seu desempenho no mês e no ano?

Alocação Inicial | Novembro/2010

A alocação de uma carteira de investimentos é responsável por praticamente 90% de seus resultados no longo prazo. Portanto, mais importante do que market timing e a escolha de ativos (asset picking) é a alocação que você define para cada ativo de seu portfólio.

Caso deseje ver os detalhes de como chegamos à esta alocação veja os comentários que fiz sobre a alocação final no mês de outubro de 2010 sobre a Carteira HC Investimentos.

Rentabilidade dos ativos da Carteira no mês

Analisando a rentabilidade mensal de cada ativo podemos compreender o porquê do resultado de +0,78% da carteira HC Investimentos no mês. Em detalhes:

1. Renda-Fixa (+0,25%). A rápida subida dos juros futuros devido a uma preocupação com a crescente inflação foi responsável pelo baixo rendimento dos títulos prefixados (LTN 2012 e 2013) e indexados à inflação (NTN-BP 15),  já que um aumento nas taxas reflete menores preços. No geral, o resultado da carteira de Renda-Fixa, no valor de +0,25%, ficou abaixo da rentabilidade do CDI no mês, de 0,81%.

2. Fundos Imobiliários (+4,88%). A rentabilidade da carteira de Fundos Imobiliários ficou bem acima do CDI, com uma valorização de +4,88% contra 0,81% do CDI. Destaque para o Projeto Água Branca (FPAB11), que apresentou fortes ganhos de quase 10% no mês. A rentabilidade dos FII tem ajudado bastante a carteira nos momentos em que a bolsa apresentou um fraco desempenho, o que comprova que existe um bom poder de diversificação ao incluir FIIs na carteira.

3. Câmbio (+3,77%). A carteira de câmbio teve um desempenho positivo de +3,77%. Tal valor foi totalmente influenciado pela excelente rentabilidade do Ouro no mês [+6,88%], que em 2010 já está com uma rentabilidade em torno de 37%. Reforço minha tese de cautela em relação ao Ouro.

Hedge Ratio (120,71%). Observamos uma excelente proteção em relação à queda da bolsa neste mês. Com as ações apresentando uma rentabilidade de -3,12% e o câmbio apresentando uma rentabilidade de +3,77%, o hedge ratio observado foi de 120,71%.

Como calcular o hedge ratio? Basta dividir a rentabilidade do câmbio (3,77%) pelo inverso da rentabilidade das ações (3,12%), o que resulta em um valor de 120,71%. Este valor sinaliza o quanto conseguimos suplantar os rendimentos negativos da bolsa com os investimentos em câmbio (dólar e ouro).

Um hedge ratio de ou acima de 100% é conhecido como hedge perfeito, já que a carteira de câmbio consegue proteger toda a queda das ações no mês. Um ótimo exemplo pôde ser observado no mês de janeiro de 2010, quando a bolsa teve um rendimento de -4,65% e o Dólar de 7,67% e o Ouro de 6,45%.

4. Ações (-3,12%). A carteira de ações, composta pelo ETF PIBB11 e pela Petrobrás (PETR4), teve um desempenho  superior ao Ibovespa no mês, garantindo uma rentabilidade de -3,12% contra -4,20% do Ibovespa.

Operações realizadas durante o mês

Realizei apenas uma operação neste mês.

1. Venda de EURO11. O Fundo Imobiliário Europar foi meu primeiro investimento neste setor. Comprado em 22/07/2009 a um preço de R$ 164,00 resolvi vendê-lo integralmente em 16/11/2010 ao preço de R$ 204,00. A rentabilidade total (considerando os rendimentos mensais recebidos) no período foi de +37,66%. Anualizando este resultado, temos um valor de +27,40%. Um excelente resultado para um investimento em Fundos Imobiliários.

Alocação da carteira | Final de Novembro:

Alocação Final. Não foram realizadas grandes mudanças na alocação da carteira, apenas um leve aumento na alocação em Cash (Conta Corrente), que será explicado abaixo.

Cenários e Estratégias

1. Renda-Fixa. Não pretendo mexer tão cedo na carteira de títulos públicos e privados. Somente uma grande variação nas taxas de juros futuros poderia dar margem para um possível realocação. No momento, estou satisfeito com esta alocação concentrada em pré-fixados e indexados a inflação.

2. Fundos Imobiliários. Esta classe de ativos está avançando fortemente em 2010, mesmo com uma subida na Selic. Como o fundo Rio Bravo Renda Corporativa (FFCI11) possui maior alocação em relação aos demais, os recursos de uma possível venda de lotes excedentes viriam deste fundo, trazendo a alocação para um patamar perto dos 3%, como os outros fundos.

Garimpando FIIs. Meu objetivo de longo prazo é trazer a alocação dos Fundos Imobiliários para 20%. A meta para 2011 é diversificar ainda mais nesta classe de ativos, alocando em torno de 10 FIIs. Estou atento para as variações no mercado para buscar novas oportunidades. Se você deseja ter informações especializadas e gratuitas sobre os Fundos Imobiliários, faço um convite para acessar o site do Sérgio Belleza, fundoimobiliario.com.br, o qual estou em parceria com o Sérgio, buscando informações práticas e de qualidade para todos os investidores.

3. Câmbio. Tendência do Dólar bastante indefinida atualmente. É possível que um valor de R$ 1,65 me faça aumentar a alocação neste ativo. Além do propósito natural do investimento, também serviria para financiar possíveis compras futuras atreladas ao Dólar.

4. Ações. Caso a Bolsa continue subindo forte, uma venda de PIBB11 pode ajudar a garantir os bons resultados, mantendo o risco sob controle. Bolsa acima de 75.000 pontos liga novo alerta. Bolsa acima de 80.000 pontos seria um momento para uma possível venda de PIBB11.

5. PETR4. Não pretendo manter uma ação individual em meu portfólio no longo prazo. Portanto, acredito ser um investimento de curto/médio prazo. Um patamar por volta dos R$ 29,00 me faria vender a ação, até mesmo para, no caso da Bolsa continuar subindo, aliviar minha alocação em Ações,  que está no patamar de 30%.

6. Aportes Mensais. Como podemos observar, a alocação em Cash (poupança e/ou dinheiro parado na corretora) da carteira está acima de 3%. Este valor se deve ao fato da reserva das debêntures do BNDES. Reservei os 3 tipos de debêntures e como a liquidação será no dia 15/12, já deixei um dinheiro em conta corrente para este novo investimento.

Para ler mais sobre este tipo de investimento, consulte o excelente site Valores Reais, do meu amigo Guilherme, que novamente trouxe todas as informações sobre as quais precisamos saber sobre este tipo de investimento.

Conclusão

Seguimos confiantes de que uma diversificação adequada de uma carteira pode gerar excelentes resultados de longo prazo, além de um ótimo controle de risco. A rentabilidade de +11,78% no ano reflete um percentual em relação ao CDI de 135,91%, já incluindo todos os custos, sendo portanto, uma rentabilidade líquida.

Opinião dos leitores. Como estão seus investimentos amigos? Quais são suas metas para 2011?

Acompanhe o site HC Investimentos em diversas mídias sociais:



Carteira HC Investimentos – Outubro/2010 [+1,01%]

Mais um mês positivo para a Carteira HC Investimentos. Com uma rentabilidade de +1,01% no mês de outubro/2010, a carteira acumula +10,91% no ano. Um ótimo resultado para um ano em que a Bolsa está com uma rentabilidade de apenas 3,03%.

Comparação de Rentabilidade

Os Fundos Multimercados que utilizo como benchamarks da eficiência de minha gestão tiveram um bom mês, recuperando boa parte do atraso em relação ao mês anterior. Após este mês, 2 fundos superam o CDI e 2 fundos estão abaixo do CDI.

Acompanhe no gráfico abaixo a evolução da rentabilidade acumulada da Carteira HC Investimentos e de seus benchmarks.

A Carteira HC Investimentos continua superando todos os seus benchmarks em 2010.

O excelente fundo Verde da Credit Suisse Hedging-Griffo teve o melhor desempenho no mês [+2,84%], tirando boa parte da folga que eu havia conseguido após o mês de agosto. A diferença agora é de menos de 1%. O que vocês acham? Será que conseguirei fechar o ano acima deste lendário fundo que, no momento, está com quase R$ 2,5 Bilhões sobre gestão? Façam suas apostas! rsrs

É importante lembrar que o benchmark oficial sempre será o CDI, porém, ao adicionar os melhores fundos multimercados como comparação, traçamos um objetivo de se equiparar a indústria de fundos profissionais.

Que tal analisarmos em detalhes a Carteira HC Investimentos para compreendermos seu desempenho no mês e no ano?

Alocação Inicial | Outubro/2010

A alocação de uma carteira de investimentos é responsável por praticamente 90% de seus resultados no longo prazo. Portanto, mais importante do que market timing e a escolha de ativos (asset picking) é a alocação que você define para cada ativo de seu portfólio.

Caso deseje ver os detalhes de como chegamos à esta alocação veja os comentários que fiz sobre a alocação final no mês de setembro de 2010 sobre a Carteira HC Investimentos.

Rentabilidade dos ativos da Carteira no mês

Analisando a rentabilidade mensal de cada ativo podemos compreender o porquê do resultado de +1,01% da carteira HC Investimentos no mês. Em detalhes:

1. Renda-Fixa (+1,19%). A leve queda dos juros futuros foi responsável pelo bom rendimento dos títulos prefixados (LTN 2012 e 2013) e indexados à inflação (NTN-BP 15),  já que um diminução nas taxas reflete maiores preços. No geral, o resultado da carteira de Renda-Fixa, no valor de +1,19%, foi ligeiramente acima do CDI no mês, de 0,81%.

2. Fundos Imobiliários (+1,35%). A rentabilidade da carteira de Fundos Imobiliários ficou acima do CDI, com uma valorização de 1,35% contra 0,81% do CDI. Não houve nenhum destaque isolado neste mês. Podemos citar como destaque a rentabilidade de todos os FII acima do CDI, e sem IR. Como é bom investir em Fundos Imobiliários!

3. Câmbio (+4,05%). A carteira de câmbio teve um desempenho positivo de +4,05%. Tal valor foi totalmente influenciado pela excelente rentabilidade do Ouro no mês [+7,67%]. Somente no ano de 2010, o Ouro está com uma valorização de 29,04%. Impressionante não?!

Cautela! Apesar de todas às críticas a desvalorizando o Dólar frente à outras moedas em uma recente “guerra cambial”, não acredito que o Ouro possa manter esta alta rentabilidade no longo prazo. Portanto,  mesmo existindo algum fundamento para a valorização do Ouro (enfraquecimento da principal moeda mundial), o momento agora é de cautela em relação ao Ouro.

4. Ações (+0,66%). A carteira de ações, composta pelo ETF PIBB11 e pela Petrobrás (PETR4), teve um desempenho  inferior ao Ibovespa no mês, garantindo uma rentabilidade de +0,66% contra os +1,79% do Ibovespa. PETR4 detonando a carteira neste mês. rsrs

A “magia da alocação de ativos”. Durante meados do mês, ao atualizar minha planilha, notei que a PETR4, comprada a R$ 26,01, estava sendo negociada perto de R$ 24,50. Sua rentabilidade no mês já estava em -11%. Ao ver este valor logo pensei: “Putz, com certeza estou no negativo neste mês…”. Entretanto, ao atualizar todos os outros ativos, minha surpresa: +0,05%.

Alocação de ativos é isso! Ao dimensionar corretamente a alocação de cada ativo de seu portfólio, algumas perdas severas serão apenas uma leve brisa no conjunto total. Perder horas de sono pensando sobre todas as variáveis do plano de capitalização da Petrobrás? Não…Devemos sempre pensar no conjunto (na carteira) e definir bem a alocação que desejamos em cada ativo para não sermos surpreendidos. Afinal:

“O todo é maior do que a soma das partes”

Operações realizadas durante o mês

Nenhum operação foi realizada neste mês. Aproveitando o Dólar baixo, resolvi não investir em ativos financeiros, mas sim em ativos intelectuais. Paguei 2 cursos de Excel (um avançado e outro sobre VBA). Ambos, online, em inglês e, obviamente, com pagamento em Dólar.

Para os fanáticos por Excel, assim como este que vos escreve, clique nestes links para saber maiores informações sobre os cursos (Excel Hero Academy | VBA Boot Camp). Entretanto, eles já supõem que você tem uma boa bagagem, até porque são cursos mais avançados. Recomendo!

PS – Se você ainda não fez o downlaod gratuito da planilha para planejamento financeiro que desenvolvi, não perca tempo e clique neste link.

Alocação da carteira | Final de outubro:

Alocação Final. Não foram realizadas grandes mudanças na alocação da carteira, apenas um leve aumento na alocação em Cash (Conta Corrente).

Cenários e Estratégias

1. Renda-Fixa. Não pretendo mexer tão cedo na carteira de títulos públicos e privados. Somente uma grande variação nas taxas de juros futuros poderia dar margem para um possível realocação. No momento, estou satisfeito com esta alocação concentrada em pré-fixados e indexados a inflação.

2. Fundos Imobiliários. Esta classe de ativos está avançando fortemente em 2010, mesmo com uma subida na Selic. Como o fundo Rio Bravo Renda Corporativa (FFCI11) possui maior alocação em relação aos demais, os recursos de uma possível venda de lotes excedentes viriam deste fundo, trazendo a alocação para um patamar perto dos 3%, como os outros fundos.

3. Câmbio. Com o fechamento desta última sexta-feira (05/11/2010), o dólar está com uma cotação de R$ 1,678, patamar abaixo dos R$ 1,70 em que julgava ser um bom suporte de curto prazo para o Dólar. Assim sendo, vejo que possíveis novos aportes poderiam ir para o Dólar, visando aumentar um pouco a proteção de minha carteira.

4. Ações. Caso a Bolsa continue subindo forte, uma venda de PIBB11 pode ajudar a garantir os bons resultados, mantendo o risco sob controle. Bolsa acima de 75.000 pontos liga novo alerta. Bolsa acima de 80.000 pontos seria um momento para uma possível venda de PIBB11.

5. PETR4. Não pretendo manter uma ação individual em meu portfólio no longo prazo. Portanto, acredito ser um investimento de curto/médio prazo. Um patamar por volta dos R$ 29,00 me faria vender a ação, até mesmo para, no caso da Bolsa continuar subindo, aliviar minha alocação em Ações,  que está no patamar de 30%.

6. Aportes Mensais. Possivelmente irá para o Dólar visando equilibrar a relação risco x retorno da carteira, em busca de uma maior proteção, já que a Bolsa volta a estar próxima de seu topo histórico e o Dólar convergindo para perto de sua mínima alcançada em 2008.

Conclusão

Seguimos confiantes de que uma diversificação adequada de uma carteira pode gerar excelentes resultados de longo prazo, além de um ótimo controle de risco. A rentabilidade de +10,91% no ano reflete um percentual em relação ao CDI de 139,95%, já incluindo todos os custos, sendo portanto, uma rentabilidade líquida.

Opinião dos leitores. E vocês meus amigos? Como está a alocação de suas carteiras? A rentabilidade líquida neste ano tem lhes agradado? Como tem equacionado a relação entre retorno e risco de suas carteiras?

Expresse sua opinião nos comentários. Tenho certeza de que poderemos ter ótimas reflexões.

Acompanhe o site HC Investimentos em diversas mídias sociais:



3 razões para não investir todo o seu capital em ações [Parte II]

Investir em uma única classe de ativos (ações) é como fazer uma aposta de que ela terá melhor desempenho no longo prazo. Vimos na parte I desta série que nem sempre as ações apresentam bons retornos no longo prazo, o que faz muitos investidores abandonarem suas estratégias no meio de um grande crash do mercado, perdendo grande parte do seu suado dinheiro advindo de anos de trabalho.

Além deste fator, investir apenas em ações é abdicar ótimas oportunidades de investimentos fora do mercado de ações. Títulos Públicos, Debêntures, Fundos Imobiliários, Dólar, Euro, Ouro. Todos estes investimentos também passam por fases otimistas e pessimistas, argumento totalmente relacionado com o 2º motivo para não investir todo o seu capital em ações.

2º motivo

  • Investir apenas em ações é perder ótimas oportunidades em outros investimentos

Retornos Anuais

Acompanhe na tabela abaixo a rentabilidade anual de alguns investimentos selecionados.

Tabela histórica dos retornos e riscos de diversos investimentos desde janeiro de 1999 e observações importantes:

1. A volatilidade da Bolsa. Destaquei em cada ano o maior e o menor retorno. Percebam que somente em 2010 a Bolsa não figura entre os destaques positivos e negativos. Resumo: Haja volatilidade!

2. Relação Retorno x Risco. Desde 1999, a bolsa possui de fato o maior retorno, de 908,74% acumulado e 21,24% anual. Entretanto, também possui o maior risco anual, de 28,88%. Maior retorno, Maior Risco. Difícil fugir desta relação. Afinal, “there’s no free lunch”.

3. Metal Dourado rende mais que CDI. O 2º lugar, surpreendentemente, não é o CDI, mas o Ouro. Nesta última década o metal ganhou bastante destaque e pode-se até argumentar sobre um processo de bolha.

4. Risco CDI x Risco Bolsa. Notem o risco do investimento no CDI. Apenas 1,36% anual. Ou seja, ganhar 16% ao ano com um risco tão pequeno é bastante atrativo. Mesmo que o retorno seja menor do que a bolsa, o risco é mais de 20x menor.

5. A diversificação para reduzir risco. Acho que a lição mais importante desta tabela é: Não é possível adivinhar qual será o melhor ativo em 2010, 2011 e assim por diante. Cada ano temos novas surpresas. Pode ser o CDI, Dólar, Euro, Ouro ou Bolsa. Melhor do que apostar em apenas um ativo, podemos fazer mix entre estes visando melhorar nossa relação entre retorno e risco. Só um mix de CDI com Bolsa já poderia reduzir o risco da Bolsa pela metade, (em torno de 15%) baixando o retorno de 21,24% na Bolsa para 18,62% do mix (50% Bolsa e 50% CDI).

Portanto, será que não vale a pena deixar de ganhar em torno de 2,5% ao ano para ter uma maior tranquilidade, reduzindo o risco da Bolsa pela metade? Isso porquê não estamos considerando o verdadeiro poder da alocação de ativos, analisando as correlações e os rebalanceamentos.

Que tal relembrarmos alguns dos melhores momentos dos investimentos, excluindo o mercado de ações?

Melhores Momentos

Melhores Momentos de determinados Investimentos, cronologicamente:

1. 2000 (Dólar | Euro | Ouro) – A euforia da década de 90 e o frenesi em torno das ações de tecnologia estava chegando ao seu auge. Proteger-se desta bolha com Dólar, Euro e Ouro foi bastante sensato nos próximos 3 anos, instalada a instabilidade mundial. Ao investir nestas classes, os investidores conseguiriam dobrar seu capital após 3 anos (início de 2000 até o início de 2003), enquanto, ao investir na bolsa, o investidor perderia quase -35% de seu capital. Uma perda desta em 3 longos anos de investimento poderia facilmente afugentar iniciantes, cuja paciência e disciplina ainda não está bem trabalhada para suportar este tipo de evento.

2. 2003 (Títulos Públicos) – Você sabia que no início de 2003 era possível investir em LTNs com taxas superiores a 30% ao ano? Elevada rentabilidade com risco quase inexistente. O único porém seria o risco de calote do governo.

3. 2003-2006 (Fundos Imobiliários) – Lançamento de alguns dos Fundos Imobiliários mais rentáveis no Brasil. O Shopping Pátio Higienópolis (SHPH11), lançado em 2003 (segundo dados da Brazilian Mortages) teve sua cota multiplicada por 4x desde seu lançamento até hoje e garante hoje um rendimento mensal de 1,77% (distribuição mensal / valor da cota de lançamento). Outro fundo vencedor, o Hospital da Criança, lançado em 2005, garante hoje uma rentabilidade mensal apenas com os rendimentos de 2,10%. O valor da cota no lançamento, que era de R$ 100,00, hoje está em torno dos R$ 300,00, um ganho de 3x.

4. 2008 (Títulos Públicos, Dólar, Ouro, Fundos Imobiliários) – Neste ano, com a Bolsa beirando os 74.000 pontos, no seu topo histórico e com o Dólar perto de R$ 1,50 as oportunidades para hedgear os investimentos com ativos contra-cíclicos era ótima (muito fácil ao olhar em retrospectiva, porém, no momento os argumentos não eram tão claros…). Com a intensificação da crise, o Dólar disparou para R$ 2,50. O Ouro praticamente dobrou de valor algum tempo depois e muitas oportunidades apareceram.

Títulos Públicos (NTN-F) com taxa de 18% a.a para investimentos de 10 anos, títulos indexados ao IPCA com taxa de 11% a.a + IPCA (NTN-B Principal 2015). Rendimentos nominais e reais bem altos que poderiam ser aproveitados por investidores de longo prazo mais conservadores, buscando evitar um pouco o sobe e desce da bolsa.

Em 2008, o importante era ter liquidez em mãos. Como a maioria dos investidores tomou o caminho contrário, vendendo seus ativos de risco para pagar dívidas que não paravam de crescer ou porque ficaram assustados com o mercado, ótimas oportunidades apareceram para quem tinha liquidez em mãos. Aqui vale a máxima das crises: “Cash is King”. Com ativos de fácil conversão em dinheiro em mãos você pode escolher o que e quanto irá comprar, montando uma sólida base para uma carteira de longo prazo.

Conclusão

Ao diversificar seus investimentos você  evita se limitar apenas a uma classe de ativos (ações), podendo escolher uma grande gama de ativos, visando aproveitar diversas oporuntidades que não são encontradas somente no mercado de ações.

Através da alocação de ativos você pode reduzir seu risco sem reduzir muito seu retorno. A relação entre retorno x risco irá melhorar, consequentemente elevando a probabilidade de você se manter firme em sua estratégia de investimento de longo prazo, entre crise, saia crise.

Acompanhe o site HC Investimentos em diversas mídias sociais:



3 razões para não investir todo o seu capital em ações [Parte I]

No mercado financeiro, é bastante comum encontrar pessoas que investem todo seu capital em ações. Geralmente, são investidores jovens que fazem suas compras baseadas na Análise Fundamentalista, concentrando seus investimentos em poucas ações, visando ter um maior retorno de longo prazo. A outra minoria, prefere indexar seus investimentos à índices, utilizando ETFs, como o BOVA11, PIBB11 e SMAL11.

Particularmente, não sou favorável à esta estratégia, mesmo sendo jovem (22) e tendo um conhecimento razoável de Análise Fundamentalista e Valuation. É por esta razão que lrei listar ao longo deste série 3 motivos que todo investidor deveria levar em conta na hora de investir 100% em ações.

A intenção deste artigo é causar uma reflexão através de fatos. Não é meu objetivo fazê-lo mudar sua estratégia. Somente você poderá decidir o que funciona e é melhor para seus investimentos. Entretanto, é sempre bom escutar opiniões contrárias, já que podem mostrar possíveis pontos fracos de nossas estratégias.

Vamos conhecer o 1º motivo para não investir todo o seu capital em ações?

(mais…)

Carteira HC Investimentos – Stembro/2010 [+2,14%]

  • Desempenho da carteira no mês

Com a ajuda do índice bovespa, que obteve uma rentabilidade de 6,58% no mês, a Carteira HC Investimentos, com uma alocação em torno de 30% em Bolsa, alcançou uma rentabilidade positiva de +2,14% no mês de setembro/2010.

  • Desempenho da carteira no ano

A Carteira HC Investimentos continua na dianteira com uma rentabilidade acumulada de +9,81% no ano (rumo aos 10%!). O CDI apresenta ganhos de 6,97% e a bolsa brasileira finalmente passou para o campo positivo, com uma rentabilidade de 1,22% no ano de 2010.

  • Comparação da Rentabilidade com Fundos Multimercados

Neste mês de ganhos relativamente fáceis devido à uma subida da bolsa de 6,58%, os Fundos Multimercados mais interessantes no Brasil não tiveram um desempenho muito bom, provavelmente refletindo um maior conservadorismo em relação as aplicações de risco, dando preferência para ativos mais seguros como títulos públicos.

Acompanhe no gráfico abaixo a evolução da rentabilidade acumulada da Carteira HC Investimentos e de seus benchmarks.


A Carteira HC Investimentos continua superando todos os seus benchmarks em 2010.

Com a rentabilidade de 2,14% neste mês de setembro, aumentei bastante a diferença em relação ao CDI e aos Fundos Multimercados. A diferença agora para o 2º colocado, o CDI, é de quase 3%.

Com o fechamento deste mês, todos os fundos que utilizo como benchmark estão abaixo do CDI no ano, o que reforça a tese da minha satisfação com meus próprios resultados. A questão é: Até quando conseguirei manter resultados excelentes, acima dos melhores fundos multimercados do Brasil?

É importante lembrar que o benchmark oficial sempre será o CDI, porém, ao adicionar os melhores fundos multimercados como comparação, traçamos um objetivo de se equiparar a indústria de fundos profissionais.

Que tal analisarmos em detalhes a Carteira HC Investimentos para compreendermos seu desempenho no mês e no ano?

(mais…)

Como Calcular a Correlação entre Ativos?

Em um artigo passado, vimos a importância da correlação entre ativos, concluindo que, quanto menor é a correlação entre dois ativos, maior será o benefício da diversificação, obtendo um menor risco para sua carteira.

Como inovar a análise de correlações? Calcular a correlação entre ativos não é uma tarefa difícil para quem já está acostumado a utilizar planilhas no Excel. Basta utilizar a fórmula “correl” e selecionar o retorno de dois ativos desejados. Não queria apenas “reinventar a roda”. Gostaria de trazer algo novo.

Indo além de uma simples fórmula. É com este intuito que disponibilizo a planilha ensinando a montar uma matriz de correlação entre vários ativos, a destacar correlações negativas (pintando a célula de vermelho) e ainda a utilizar fórmulas para reconhecer quais são as 5 maiores e 5 menores correlações dentro da matriz de correlações.

Para deixar a planilha ainda mais completa, coloquei o retorno mensal dos seguintes ativos no período de janeiro/2007 até julho/2010:

1. IPCA | 2. CDI | 3. Dólar | 4. Euro | 5. Ouro | 6. Ibovespa | 7. SMLL

Os benefícios da planilha. Com esta planilha você será capaz de calcular a correlação entre diversos ativos de forma simples, rápida e eficaz, sabendo exatamente quais são os números que você deve prestar atenção para melhorar a diversificação de seu portfólio através de correlações negativas e evitar a sobreposição (overlaping) entre ativos com alta correlação, o que resultaria em um aumento de custos através da aquisição de novos ativos sem o mesmo poder de correlação.

Todas as intruções sobre como utilizar a planilha estão dentro dela própria. Qualquer tipo de dúvida deixe sua opinião na caixa de comentários ao final deste post.

Faça o download da planilha HC Investimentos – Como calcular o Risco (Volatilidade) de um Investimento

Clique para baixar (Excel 2007)

Acompanhe o site HC Investimentos em diversas mídias sociais:



%d blogueiros gostam disto: