Compartilhando idéias para alcançar a liberdade financeira.

Arquivo para a categoria ‘Mercado Financeiro’

IPCA e IGP-M: Inflação Histórica no Brasil

De acordo com o último relatório Focus do dia 11/02/2011 [link], espera-se uma inflação (IPCA) de 5,75% em 2011. As expectativas para o IGP-M em 2011 estão no patamar atual de 6,33%.

A alta inflação esperada, visivelmente acima da meta do Banco Central, em 4,5%, é um dos principais desafios para que nossa economia continue crescendo de forma sustentável. A preocupação é tamanha que já é esperada uma Meta Selic para o final de 2011 em 12,50%.

No artigo de hoje trago uma pequena análise sobre a inflação no Brasil desde o ano de 1995, período que sucedeu a efetivação do Plano Real, em julho de 1994.

Inflação Anual: IPCA e IGP-M desde 1995

Clique na imagem para ampliar

O gráfico acima traz a inflação anual dos dois principais índices de inflação, o IPCA e o IGP-M. Notem como o IGP-M é mais volátil do que o IPCA. Sua média anual neste período [ 1995 – 2010 ] é de 9,56% enquanto do IPCA é de 7,52%.

A única variação negativa da série ocorreu em 2009, quando o IGP-M registrou deflação de 1,71%.

O sucesso do Plano Real foi imediato, com uma inflação declinante no período de 1995 até 1998. Entretanto, entre os anos de 1999 e 2003, o dragão (a inflação) voltou a mostrar suas caras. No ano de 2002 o IPCA registrou alta de 12,53% enquanto o IGP-M registrou alta de 25,30%.

Últimos 5 anos. De 2006 até 2010, a inflação recuou para patamares “normais”, com o IPCA controlado entre 2,5% (limite inferior) e 6,5% (limite superior), de acordo com o sistema de metas de inflação do Banco Central.

Meta de Inflação do Banco Central

Clique na imagem para ampliar

Embora a inflação tenha recuado no período de 2002 até 2006, observamos uma inflação efetiva crescente nos últimos anos. Com o alto crescimento da economia, controlar a inflação será um dos fatores-chave para o sucesso do atual governo. Será que eles terão êxito em suas políticas econômicas?

Como se proteger da inflação? Como investidores, nunca podemos confiar na capacidade de outros agentes em cumprir suas metas e deveres. Devemos sempre considerar que o futuro é imprevisível e que realmente qualquer cenário possa ocorrer. E uma das maneiras mais inteligentes de se proteger contra a inflação é comprar títulos públicos indexados a inflação, através das NTN-Bs, ofertadas pelo Tesouro Nacional.

Retorno Esperado da NTN-BP 2015. Deste modo, o investidor terá uma taxa pré-definida + a variação do IPCA anual. A NTN-B Principal com vencimento em 2015 está oferecendo uma taxa atual de 6,58%. Logo, se o IPCA convergir para a expectativa de 5,75% que comentamos no início do artigo, teremos um retorno (bruto) de 12,71% em 2011. A taxa real já é a própria taxa oferecida, de 6,58%.

Vale lembrar que o cálculo correto não é a soma das taxa. Neste caso, o correto é: ( 1 + 0,0658 ) * ( 1 + 0,0575)  -1 = 0,1271.

Deixe sua opinião. Como você vê a inflação nos próximos anos? Qual tipo de investimento você utiliza para driblá-la?

Você pode vencer no Mercado Financeiro

Queridos amigos,

2011 inicia-se com grandes novidades. Eu e meus parceiros do Clube de Vienna trabalhamos constantemente na elaboração de um novo website, visando trazer informação de qualidade a um maior número de investidores no mercado.

Agora, este website é uma realidade. Abaixo, transcrevo o excelente artigo do meu sócio e amigo Jonas Fagá, cuja colaboração na minha formação como investidor, escritor e como pessoa foi muito importante para que eu pudesse chegar até onde cheguei.

Boa Leitura!

Você já percebeu quantas pessoas se aventuram no mercado financeiro, excitadas pela possibilidade de grandes lucros, apenas para, anos depois, aparecerem desanimadas e com menos dinheiro do que tinham antes?

Será que é mesmo possível obter sucesso no mercado com consistência, e ter com ele uma relação melhor, mais amigável e mais construtiva do que a imensa maioria dos investidores?

É claro que é possível. Mas antes de tudo, você tem que querer…

A verdade é que, como em toda atividade nova, existem “segredos”, “truques” e “macetes” já conhecidos pelas pessoas com mais experiência, e que dificilmente são revelados aos recém chegados.

Quando o assunto envolve dinheiro então, o caráter egoísta do ser humano se torna ainda mais evidente, e então, a grande maioria dos conselhos que recebemos, não passam de mistificações e engodos, que visam nos manter sempre à margem da festa, como se nossa presença ameaçasse o espaço já conquistado pelos “veteranos”.

Não existe pensamento mais antiquado e improdutivo do que esse.

A maioria das pessoas que se denominam “investidores” são, na verdade, especuladores, que encaram o mercado financeiro muito mais como um grande jogo, do que como um método viável e sensato de obter remuneração para o seu capital.

E em um jogo onde estão envolvidas as possibilidades de ganhar e de perder dinheiro, o terreno se torna fértil para todo tipo de comportamento antiético.

Além da falta de ética pura e simples de muitos participantes, existe ainda um enorme trabalho do sistema em fazer todos os novos investidores crerem que o mercado é um lugar onde você pode enriquecer rapidamente.

Day trade, foco no curto prazo, Axiomas de Zurique, operações com alta frequência e alta rotatividade, alavancagem, entre outras, são vendidas como o caminho mais curto para você se tornar um milionário.

Infelizmente, essa á e porta de entrada larga, por onde a maioria é atraída para o mercado, apenas para servir de alimento para as camadas mais altas da cadeia alimentar.

Com algum tempo de tentativa e erro, podemos conquistar a experiência necessária para perceber que nem tudo (ou quase nada) do que nos é apresentado tem valor real no caminho da construção de uma riqueza sólida e crescente.

O grande problema é que, dependendo da quantidade de capital disponível e do tamanho dos erros cometidos, a imensa maioria dos novos investidores não tem “fôlego” suficiente para descobrir as artimanhas antes de falirem completamente.

E não pense que são sós os novos investidores que correm esse risco. Nós, que estamos há anos no mercado, conhecemos inúmeras pessoas inteligentes e aparentemente bem preparadas, que não sobreviveram ao teste da realidade, e também acabaram falindo.

Nós, do Clube de Vienna, não acreditamos que o mercado precisa tratar os novos investidores dessa maneira. Achamos essa atitude egoísta, improdutiva, e para falar um bom português, completamente BURRA.

Um país precisa de um mercado financeiro forte para crescer economicamente. Enquanto os profissionais do mercado financeiro abordarem o assunto com a ganância e o egoísmo habituais, isso só colaborará para fortalecer a imagem do mercado como um lugar habitado por ladrões e pessoas de mau caráter.

Essa propaganda negativa é o resultado de longo prazo da atividade egoísta e auto-centrada da maioria dos profissionais que hoje fazem o mercado financeiro. Mas o mercado não é feito apenas de egoísmo e individualismo.

No Clube de Vienna, nós acreditamos que se um investidor novato for bem recebido, e for munido das informações básicas necessárias para poder sobreviver e prosperar, ele permanecerá no mercado, fortalecendo-o, e enriquecerá junto com as empresas e o país.

E assim, tornar-se-á um novo elemento multiplicador da boa nova de que sim, é possível utilizar o mercado financeiro com sucesso no processo de formação da riqueza das pessoas.

Com mais pessoas participando, e obtendo bons resultados, o mercado só tem a se beneficiar, aumentando a liquidez, o volume das negociações, e permitindo que as empresas possam se financiar de forma mais eficaz, e os poupadores e investidores possam receber remunerações melhores para o seu capital, do que os parcos rendimentos da poupança ou da renda fixa.

E é por isso que fundamos o Clube de Vienna. Para que pudéssemos, obviamente dentro das nossas limitações, colaborar no processo de criação de mercado financeiro mais forte, mais sólido, mais honesto e, principalmente, mais humano, onde haja espaço para todos, e não apenas para um grupo restrito de “insiders“.

Nossos associados recebem acesso a diversos “segredos” sobre a arte de construir e preservar riqueza. Segredos que podem ser aprendidos de forma independente, claro, mas a um custo muito mais alto e, possivelmente, alto demais, a ponto de não sobrar nada para poder ser aplicado no final do processo de aprendizado.

Baseados na experiência de mais de uma década de sucesso nos mercados, e construindo nossas estratégias sobre os ombros de gigantes do passado, o Clube de Vienna desenvolveu métodos proprietários de análise que tornam o trabalho dos investidores muito mais simples, e amparados em conhecimentos reais, que não tem como objetivo separar você do seu dinheiro, mas sim, fazer o seu dinheiro crescer, na mesma medida e velocidade do seu conhecimento.

Alocação de ativos, Análise Fundamentalista, Análise Técnica, modelos de gerenciamento do risco e de precificação dos ativos, leitura macroeconômica e geopolítica, são apenas alguns desses “segredos” que utilizamos na construção de nossas estratégias.

Esperamos que hoje, dia 9 de Janeiro de 2011, com a chegada deste novo website, possamos levar esse conhecimento para um número cada vez maior de pessoas que começam a acordar para a necessidade de aprender a investir melhor seus recursos.

Ganância e medo não tem espaço em nossa filosofia. Ganância e medo são emoções de um paradigma que está se esfacelando, e fazem parte do passado.

Nossa filosofia é baseada no conhecimento, na racionalidade, e no auto controle, de modo que possamos extrair o melhor possível do mercado, sem a necessidade de correr riscos demasiados que possam colocar nosso projeto a perder.

Foi pensando assim que, ainda em 2003, nossos analistas já alertavam os leitores para a forte tendência secular de baixa que derrubaria o valor do dólar, muito antes do fato se tornar conhecido da grande massa, e comentado na mídia oficial como hoje.

Foi assim que começamos a ensinar os princípios básicos da alocação de ativos para investidores individuais, que pensavam que só havia um modo de operar no mercado (comprar e torcer para o preço subir).

Foi assim que, em 2003, fomos os primeiros analistas independentes a alertar para o início da grande tendência de alta das commoditties, e do ouro, um investimento que hoje recebe grande atenção no mercado, mas na época, era uma oportunidade praticamente desconhecida do grande público.

Foi assim que, em 2006, começamos a alertar para a possibilidade do estouro da bolha imobiliária americana, e de como ela afetaria todo o sistema financeiro e a economia global, lançando o capitalismo moderno em sua mais desafiadora crise.

Foi assim que, em 2008, no auge da crise, colocamos nosso primeiro website no ar, em um momento onde uma grande quantidade de pessoas estava sofrendo fortes prejuízos no mercado, e pudemos então, divulgar para um número maior de pessoas as estratégias que podiam ajudá-las a se proteger de tais crises, e prosperar em praticamente qualquer cenário econômico.

E é assim que temos trabalhado desde o início, não apenas trazendo nossa leitura e nossas recomendações, mas principalmente, explicando as razões por trás delas, para que nossos Associados e leitores possam desenvolver sua própria habilidade de compreender o mercado, e de seguir o seu desenvolvimento pessoal, sem que para isso, precisem se tornar dependentes do nosso serviço.

E é assim que continuaremos o nosso trabalho, sempre acreditando que o conhecimento é a única coisa que se multiplica, conforme é dividido.

Seja bem vindo ao nosso website.

Assine gratuitamente o Vienna Newsletter, e receba todos os artigos que serão publicados pelo Clube de Vienna. Eles conterão um material essencial, e totalmente gratuito que, esperamos, colaborará bastante com a sua formação como investidor.

E quando se sentir preparado para começar a investir de verdade, assine uma de nossas publicações pagas. Você será muito bem recebido, e pode ter certeza de que não encontrará a qualidade de análises e recomendações, nem a disponibilidade de dados que o Clube oferece, em nenhum outro lugar no Brasil, a preços tão acessíveis.

O Brasil está entrando em uma nova era. Não fique de fora.

Venha fazer parte deste Clube você também.

E SUCESSO!!!

Jonas Fagá Jr. – CNPI – Analista Responsável do Clube de Vienna

PS 1: Ao acessar a página do Clube de Vienna você já pode ler o meu mais novo artigo -Introdução à Alocação de Ativos. Aproveite e cadastre-se em nossa newsletter (caixa ao lado direito) para receber nossos textos diretamente por e-mail, além de benefícios especiais.

PS 2: O relatório anual dos Fundos Imobiliários já pode ser lido. Basta acessar o site Fundo Imobiliário ou clicar neste link para baixá-lo (em PDF).

Carteira HC Investimentos – Stembro/2010 [+2,14%]

  • Desempenho da carteira no mês

Com a ajuda do índice bovespa, que obteve uma rentabilidade de 6,58% no mês, a Carteira HC Investimentos, com uma alocação em torno de 30% em Bolsa, alcançou uma rentabilidade positiva de +2,14% no mês de setembro/2010.

  • Desempenho da carteira no ano

A Carteira HC Investimentos continua na dianteira com uma rentabilidade acumulada de +9,81% no ano (rumo aos 10%!). O CDI apresenta ganhos de 6,97% e a bolsa brasileira finalmente passou para o campo positivo, com uma rentabilidade de 1,22% no ano de 2010.

  • Comparação da Rentabilidade com Fundos Multimercados

Neste mês de ganhos relativamente fáceis devido à uma subida da bolsa de 6,58%, os Fundos Multimercados mais interessantes no Brasil não tiveram um desempenho muito bom, provavelmente refletindo um maior conservadorismo em relação as aplicações de risco, dando preferência para ativos mais seguros como títulos públicos.

Acompanhe no gráfico abaixo a evolução da rentabilidade acumulada da Carteira HC Investimentos e de seus benchmarks.


A Carteira HC Investimentos continua superando todos os seus benchmarks em 2010.

Com a rentabilidade de 2,14% neste mês de setembro, aumentei bastante a diferença em relação ao CDI e aos Fundos Multimercados. A diferença agora para o 2º colocado, o CDI, é de quase 3%.

Com o fechamento deste mês, todos os fundos que utilizo como benchmark estão abaixo do CDI no ano, o que reforça a tese da minha satisfação com meus próprios resultados. A questão é: Até quando conseguirei manter resultados excelentes, acima dos melhores fundos multimercados do Brasil?

É importante lembrar que o benchmark oficial sempre será o CDI, porém, ao adicionar os melhores fundos multimercados como comparação, traçamos um objetivo de se equiparar a indústria de fundos profissionais.

Que tal analisarmos em detalhes a Carteira HC Investimentos para compreendermos seu desempenho no mês e no ano?

(mais…)

%d blogueiros gostam disto: