Compartilhando idéias para alcançar a liberdade financeira.

2010 pode não ser um bom ano para muitos que investem de forma concentrada em ações, já que o Ibovespa apresenta uma queda de -1,56% no ano. Entretanto, 2010 está sendo *excelente* para a carteira HC Investimentos, que acumula um impressionante ganho de 7,50%, acima até mesmo do CDI, cuja rentabilidade é de 5,15%.

Carteira HC Investimentos supera todos os tipos de multimercados no ano de 2010.

A rentabilidade no ano do melhor tipo de fundo multimercado, o multimercado estratégia específica, foi de 6,52% no ano de 2010, valor praticamente 1% abaixo da rentabilidade apurada na carteira HC Investimentos, de 7,50%. Veja mais detalhes neste link (PDF).

  • Desempenho da carteira no mês

Com o forte avanço do Ibovespa no mês de julho (10,80%), a Carteira HC Investimentos, com uma alocação em torno de 30% em Bolsa, alcançou uma rentabilidade de 3,33% contra um CDI de 0,86%.

Mesmo os melhores fundos multimercados não conseguiram um ótimo desempenho neste mês, tendo o melhor deles (CSHG Verde) um resultado de 1,44%.

Acompanhe no gráfico abaixo a evolução da rentabilidade acumulada da Carteira HC Investimentos e de seus benchmarks.

A Carteira HC Investimentos volta a superar todos seus benchmarks em 2010. É importante lembrar que o benchmark oficial sempre será o CDI, porém, ao adicionar os melhores fundos multimercados como comparação, traçamos um objetivo de se equiparar a indústria de fundos profissionais.

Vamos analisar em detalhes os motivos deste ótimo desempenho.

  • Alocação Inicial em Julho/2010

A alocação de uma carteira de investimentos é responsável por praticamente 90% de seus resultados no longo prazo. Portanto, mais importante do que market timing e a escolha de ativos (asset picking) é a alocação que você define para cada classe de ativos.

Caso deseje ver os detalhes de como chegamos à esta alocação veja os comentários sobre a alocação final no mês de junho de 2010 no artigo de maio sobre a Carteira HC Investimentos.

  • Rentabilidade dos ativos da Carteira HC Investimentos no mês:

Através da rentabilidade mensal de cada ativo podemos compreender o porquê do resultado de 3,33% da carteira HC Investimentos. Vamos analisá-los mais de perto.

1. Renda-Fixa. Novamente os títulos pré-fixados (LTN 2012 e 2013) e os títulos indexados a inflação (NTN-BP 15) tiveram melhor desempenho do que os títulos pós-fixados (LFT 2012). A queda dos juros futuros no mercado fez com que a taxa dos pré-fixados e indexados a inflação caíssem, aumentando o preço destes títulos.

Um exemplo real: A última compra que fiz no Tesouro Direto foi no dia 05 de maior de 2010 – LTN 2013 com uma taxa de 12,96% e preço de R$ 723,59. No fechamento de julho, esta taxa já estava em 11,97% e o preço em R$ 761,25.

Até o momento, a decisão em manter uma maior alocação em títulos pré-fixados e indexados a inflação tem obtido sucesso, já que a taxa de juros futuro tem caído nos últimos meses.

2. Fundos Imobiliários. A rentabilidade da carteira de Fundos Imobiliários novamente superou a média do setor, garantindo uma valorização de 4,05% contra 2,57% da média. Destaque para o Fundo Projeto Água Branca (FPAB11) com uma rentabilidade de 7,02%, sendo que, apenas no último dia do mês, o fundo se valorizou 6,22%.

O aumento na alocação dos Fundos Imobiliários realizado no mês passado (subindo de 11,80% para 18,70%) garantiu um bom desempenho para a carteira em geral, já que a rentabilidade destes no mês foi alta, no valor de 4,05%.

3. Câmbio. A carteira de câmbio teve um desempenho de -3,10%, indo de encontro ao esperado, já que a Bolsa subiu fortemente (10,80%) neste mês de julho.

4. Ações. A carteira de ações, composta pelo ETF PIBB11 teve um desempenho ainda melhor do que o Ibovespa no mês, garantindo uma rentabilidade de 11,56%. Entretanto, quando analisamos o desempenho no ano, o PIBB11 ainda se encontra atrás do Ibovespa, com uma rentabilidade acumulada de -3,24% contra -1,56% da Bolsa.

  • Operações realizadas durante o mês:

Neste mês de julho não realizamos nenhuma operação. Nenhuma compra ou venda de ativos foi feita. O aporte mensal foi antecipado no mês anterior quando precisei de capital para exercer um direito de subscriação do Fundo Imobiliário FFCI11.

Controle seus custos. Quem realiza muitas mudanças em sua carteira de investimentos está sujeito a incorrer em altos custos. É uma relação quase sempre perdedora. A tentativa de acertar um melhor timing não é compensatória, principalmente quando se analisam os custos totais.

Esta imagem retirada do excelente livro “The Intelligent Investor” resume bem a relação paciência, custos e retorno.

  • Alocação da carteira HC Investimentos no final de junho:

Alocação Final. Como não foi realizada nenhuma operação neste mês a alocação final da carteira em julho teve pequenas mudanças, refletindo apenas o desempenho dos ativos no mês.

  • Cenários e Estratégias

1. Renda-Fixa. Não pretendo mexer tão cedo na carteira de títulos públicos e privados. Somente uma grande variação nas taxas de juros futuros poderia dar margem para um possível realocação. No momento, estou satisfeito com esta alocação concentrada em pré-fixados e indexados a inflação.

2. Fundos Imobiliários. Esta classe de ativos está avançando fortemente em 2010, mesmo com uma subida na Selic. Como o fundo Rio Bravo Renda Corporativa (FFCI11) possui maior alocação em relação aos demais, os recursos de uma possível venda de lotes excedentes viriam deste fundo, trazendo a alocação para um patamar perto dos 3%, como os outros fundos.

3. Câmbio. Dólar perto ou abaixo de 1,70 poderia sinalizar um ponto de possível compra de lotes adicionais com dinheiro vindo da própria venda de Bolsa.

4. Ações. Com um grande avanço de 10,80% do Ibovespa a Bolsa pode estar novamente indo para um região “cara”. Acredito que Bolsa além dos 70.000 pontos já ligaria meu sinal de alerta.

5. Aportes Mensais. Em minha opinião, não existem excelentes investimentos no momento. Portanto, o aporte mensal de agosto poderia ir para uma LFT, visando pegar o aumento na taxa básica de juros.

Opinião dos leitores. E vocês meus amigos? Como está a alocação de suas carteiras? A rentabilidade líquida neste ano tem lhes agradado? Como tem equacionado a relação entre retorno e risco de suas carteiras?

Expresse sua opinião nos comentários. Tenho certeza de que poderemos ter ótimas reflexões.

Acompanhe o site HC Investimentos em diversas mídias sociais:

Comentários em: "Carteira HC Investimentos – Julho/2010 [+3,33%]" (30)

  1. Eduardo disse:

    Parabens HC!!!

    Bons rendimentos. Só para voce saber, eu estou com um ganho acumulado de 5,4% nesse ano, focando apenas em ações. Não fui tão bem quanto voce, mas estou tranquilo…

    Eu sempre leio seu blog e estou curioso para saber uma coisa: Você se dedica a investimentos além do seu trabalho normal ou você trabalha 100% na área? Como voce consegue acompanhar teus investimentos tão de perto? Você não esta vivendo só da renda que você consegue gerar ainda, né?

    Como sempre, excelente trabalho!! Fico feliz em ver voce e o VR conseguir colher fruto do trabalho de vocês!!

    um forte abraço e sucessso!!

    • Henrique Carvalho disse:

      Eduardo,

      Muito obrigado pelos elogios!

      Seu rendimento está muito bom mesmo para quem investe com foca em ações. Imagino que investe mais em small caps não é mesmo? Enquanto o Ibov está com perdas de -1,56% o SMLL está com ganho de +8,40% em 2010.

      Faço faculdade de economia e trabalho na área de investimentos. Nem acompanho muito de perto os investimentos não…Só vejo alguns movimentos mais importantes. Acredito que o que me ajuda bastante são as planilhas que mantenho sempre atualizadas a cada semana.

      Ainda estou na fase de acumulação, porém, já abdicando um pouco do retorno para não incorrer em um risco muito alto. Sou um investidor mais moderado! rsrs

      Grande Abraço meu amigo!

  2. Bruno Peruchi disse:

    Cara, antes de tudo parabéns pelo site. Dá para notar o quanto de tempo vc gasta com ele, a estrutura e a estética dele estão ambas ótimas. Agora quanto ao conteúdo, como eu reparei que todo mundo vem aqui e elogia a carteira por algum motivo, eu resolvi ser chato (a sensatez do meu argumento fica aberta à análise):

    1- Sério mesmo que vc comprou LTN 2012 e 2013 ao invés de apenas 2013? Taxas brutas maiores e menor alíquota de IR já não é mais suficiente?

    2- Sério mesmo que vc comprou LFT ao invés de comprar mais LTN ou NTN-B. Cara, de novo taxa bruta maior é bom.

    3- Sério mesmo que vc gastou dinheiro com fundos cambiais? Pq cara, pq?

    4- Série mesmo que vc curte ouro? 4%a.a. bruto sobre CPI americano nos últimos 50 anos te parece atraente mesmo?

    5- EURO 11? Dá para garimpar um pouquinho melhor melhor, não?

    6- WPLZ11B? Até quando vc acha que a garantia dos 0,83/cota vão? Já pensou quanto vai ser depois? Um dia o mercado percebe cara.

    De novo, eu tava sozinho em casa de quinta-feira sem o que fazer, jogando super mario crossover (vcs já viram? é bem legal) e resolvi encher o saco, dado que ninguém mais parece fazer isso. Eu acho que são argumentos que valem a pena pensar um pouco, só um pouco mesmo.

  3. Henrique Carvalho disse:

    Olá Bruno!

    Muito obrigado pelos elogios e *principalmente* pelas críticas. São elas que nos fazem refletir melhor sobres nossas visões. Espero que a resposta lhe seja satisfatória.

    1. Passei a divulgar a carteira HC apenas em 2010, porém já investia em 2008 e 2009. Portanto, ainda não havia a LTN 2013, apenas a 2012. Assim que saiu a 2013 meu foco nos pré-fixados passou a estar totalmente nela, devido a questões de minimizar o IR.

    2. A taxa bruta é maior sim, hoje. Porém, nada impede que a taxa de juros no Brasil volte para 15% (embora não acredite muito). Na alocação de ativos você não precisa se preocupar em acertar todos os movimentos da bolsa, dos juros, do câmbio. Além disso, numa crise mais forte (ex.2008) quem irá segurar o portfólio é justamente a LFT e o Câmbio.

    3. É uma maneira fácil de se investir em Dólar. A alocação em Dólar (neutralidade em 5%) serve para diminuir a volatilidade do portfólio e garantir liquidez imediata quando uma nova crise surgir.

    4. Não curto muito não. Porém, o Ouro (veja que minha alocação é de 5% nele) serve como um seguro no portfólio, caso aumentem as chances de uma crise sistêmica no mundo. Além disso, se você pegar a rentabilidade do Ouro (e aqui eu posso estar incorrendo em um viés de análise e data mining) nos últimos 10 anos é muito próxima da Selic, porém a correlação com a Bolsa é negativa, o que diminui o risco e facilita a realocação da carteira.

    5. EURO11 foi minha primeira compra nos FII. Peguei um preço de R$ 164,00 e um yield de 0,83%. Hoje, praticamente 1 ano depois estou com uma rentabilidade de 25,80% neste fundo. Não me arrependo nenhum pouco. Hoje não é um dos fundos mais atrativos. Além disso, tenho 5 FII, o que já me traz uma maior diversificação = menor risco.

    6. Você já é a terceira pessoa que comenta sobre a garantia dos 0,8333. Sim, o mercado pode depreciar o preço do WPLZ11B ao perceber que ele não conseguirá manter esses rendimentos após o período garantido. Entretanto, esta é uma posição de mais risco que tenho no portfólio de FII. Como se fosse uma ação turnaround. O fundo hoje está expandindo e só o tempo vai dizer se ele conseguirá ou não manter estes rendimentos constantes. Além disso, o maior problema está em quando e como o mercado irá precificar esta questão do fundo.

    Acredito que pode ser uma boa idéia criar um FAQ no mesmo estilo do blog Viver de Renda para que todos possam ter acesso ao porquê dos meus investimentos.

    Mais uma vez obrigado pela reflexão!

    Caso discorde de alguma resposta ou tenha alguma sugestão a fazer sinta-se à vontade para me enviar um novo comentário.

    Grande Abraço!

  4. Impressionante!!! Essa é a prova viva de que investidores não profissionais podem bater até os mais renomados gestores do acirrado e competitivo mercado financeiro! (se bem que o Henrique é mais profissional que muitos que existem por aí….hehehe)

    Considero particularmente interessante a tabela retirada do livro do Graham, que mostra as perdas abissais que investidores hiperativos têm em suas carteiras. Além do prejuízo econômico, há também o prejuízo à saúde, e a perda natural de tempo, esse absolutamente irrecuperável.

    O negócio, como sempre, é estudar mais, e operar menos. Para ganhar mais. 😀

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Henrique Carvalho disse:

      Grande Guilherme!

      Obrigado pelo gentil comentário!

      Acredito que mais importante do que rentabilidade é você se sentir bem com seu método de investimentos. Eu me sinto bem tranquilo com a alocação de ativos que venho fazendo. Tem gente que prefere remunerar carteira de ações com opções, outros apenas análise fundamentalista, técnica, etc.

      O objetivo é um só, mas os meios são vários!

      Grande Abraço amigo!

  5. Parabéns pelo resultado Henrique!
    Mesmo com a boa performance da sua alocação prefiro a maior concentração na bolsa ainda.

    Você sabe que concordo plenamente com sua afirmação sobre os controle de custos e poucas mudanças de ativos no portfólio. Não é porque um ativo subiu mais que outro que você deve mudar seus investimentos. O futuro ninguém sabe. Tenho um post feito sobre os custos que os famosos traders pagam sempre, muitas vezes até diariamente.

    Você já leu “The Intelligent Investor”? Estou lendo agora e é realmente muito bom.
    Estou estudando alguns assuntos para atualizar o blog em breve.

    Ainda não consegui te achar no MSN!!! Acho que vou te adicionar no meu particular hehe
    Abraços e sucesso!

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Renda Passiva!

      Já li sim. Porém, li o nacional mesmo (O Investidor Inteligente). É um excelente livro. Muito bom mesmo. É o tipo de livro que vale a pena ler com calma e fazer suas próprias pesquisas baseadas no livro.

      Outro livro muito bom de um segmento parecido também é o Filosofias de Investimentos, do Damodaran.

      Msn eu uso muito pouco mesmo…rsrs Qualquer coisa me manda um e-mail que combinamos um horário.

      Grande Abraço!

  6. Dornel disse:

    Olá Henrique, muito bom seu blog, parabéns.

    Você e o Viver de Renda tem me inspirado a retomar, de forma organizada, a minha busca pela IF!

    Gostaria de uma dica sua, vou começar a efetuar aportes em FII também, quais você recomenda para esse momento? Você irá realizar aportes mês que vem?

    Abraço.

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Dornel!

      Muito obrigado pelos elogios!

      Sobre os melhores Fundos Imobiliários no momento eu daria uma atenção maior em:

      1. CXCE11B
      2. WPLZ11B
      3. FMOF11
      4. FLRP11B
      5. FAED11B
      6. NSLU11B
      7. FFCI11

      Pretendo sim realizar aportes nesse mês. Na próxima atualização mensal eu documento melhor os detalhes.

      Grande Abraço!

  7. Henrique,

    uma ponderação: observa-se que as taxas dos títulos (LTN, por exemplo) caíram. Por outro lado, ao mesmo tempo, o que ocorreu foi um aumento da SELIC.

    O que percebo é que a demanda pelos títulos fez com que as taxas caíssem. Exatamente como nos treasuries americanos.

    Mas acredito que, enquanto houver demanda por títulos, essas taxas “baixas” aqui e ainda mais baixas nos EUA (a menor taxa da história para títulos de 2 anos) vão continuar.

    Porém, o dia chegará em que investidores não vão querer serem remunerados por 0.5% ao ano para um título com vencimento para 2 anos, como nos EUA. No Japão, é verdade, desde a década de 80 está ocorrendo isso e não houve aumento da taxa de juros.

    Caso as taxas lá aumentem, aqui deverão aumentar muito mais. E é justamente quando poderemos perder muito nas LNTB Principal, por exemplo.

    Bom, é só uma linha de pensamento dentro de diversas variáveis =)

    Abraços!

  8. Henrique Carvalho disse:

    Olá Thiago!

    Realmente as taxas dos Treasuries de curto prazo caíram bastante, movimento que não foi totalmente acompanhado pela bolsa americana. Este pode ser um dos argumentos para quem acredita em uma queda na bolsa.

    Acredito que os treasuries possam influenciar os títulos brasileiros, porém, o fator determinante para a taxa deles é a expectativa de inflação, que mexe com as taxas de juros futuras, alterando a taxa dos títulos públicos.

    Portanto, particularmente, não creio em um grande aumento na taxa de juros no Brasil (como algo acima de 15% a.a), já que ainda temos um dos mais altos juros reais do mundo.

    De qualquer forma, a alocação de ativos está aí para nos proteger destas incertezas do mundo real.

    Obrigado pelo seu ponto de vista.

    Grande Abraço!

  9. André Tavares disse:

    Henrique,

    tenho uma filosofia de investimentos parecida com a sua: usar uma boa alocação de ativos e fazer aportes mensais. Mas me deparo com uma dificuldade para avaliar meus resultados. Gostaria de saber quanto minha carteira rendeu a cada mês e principalmente quanto ela rende em média, para avaliar se estou de acordo com as minhas espectativas.

    Para calcular o rendimento mensal tenho seguido o básico o que rendeu no mês divido pelo que tinha no inicio do mês.

    Agora para calcular a média de rendimento mensal nos últimos meses foi que eu encontrei o problema. Na minha planilha tenho 3 formas de calcular. Não sei ainda qual das três é a correta ou se é uma quarta forma.
    1. Simples: Faço a média dos resultados mensais.
    2. Compound: Tirado do livro “All about asset allocation” que estou lendo seguindo sua recomendação.
    3. Acumulado: Calculo o rendimento acumulado e depois divido pela quantidade de meses do período.

    Porém como eu faço aportes mensais, acho que nenhuma destas formas me retornam a média de rendimentos correta.

    Você tem uma maneira diferente de calcular o seu retorno médio? Se não, qual das 3 formas você acha ser a mais adequada?

    Abraços,
    André Tavares

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá André!

      Este tipo de dúvida é muito comum entre a maioria dos investidores. Acho que não seria exagerado dizer que mais de 80% dos investidores não sabem medir corretamente os seus resultados.

      Há tempos atrás, esta era uma questão que realmente me deixava grilado, pois acredito ser muito importante saber medir exatamente os resultados de uma carteira para avaliar se estou indo bem.

      Esse assunto demandaria um longo post explicando os detalhes, porém, você pode acessar este o link abaixo para uma boa leitura sobre como fazer a medição através do sistema de cotas, utilizado pelos fundos de investimentos.

      Clique aqui para fazer o download do material de leitura (RAR) – Contém um arquivo Word, uma planilha Excel com cálculos do texto e 1 PDF do INI sobre o método)

      Outra opção seria utilizar o método da TIR (Taxa Interna de Retorno). Clique aqui para fazer o download de uma planilha explicando como fazer este cálculo.

      Caso tenha maiores dúvidas estou à disposição!

      Grande Abraço!

      • André Tavares disse:

        Henrique,

        obrigado pela rápida resposta. Vou ler os documentos que você sugeriu e caso tenha alguma dúvida te pergunto.

        Abraços,
        André Tavares

  10. Adriano Sacras disse:

    Olá Henrique,

    primeiramente parabéns pelo magnífico trabalho que vem desenvolvendo no site. Descobri seu site através do “Valores Reais” e me encantei com a qualidade dos textos e riqueza das informações. Pode ter certeza que um dia você será sucesso editorial no mercado brasileiro =).

    Minha dúvida é em relação aos “hedges” da sua carteira, o ouro e o dólar. Esses são sem dúvida os ativos que mais dispertaram minha curiosidade por serem pouco comentados pelos meios de informação. Então eu gostaria de saber mais sobre como investir, quais as taxas, as opções e em qual forma você investe e porque. Acredito que seja um dúvida de caráter geral em virtude do pouca divulgação desses ativos.

    Novamente parabéns pelo trabalho e espero poder continuar a ler o seu trabalho.

    Grande abraço

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Adriano!

      Muito obrigado pelos elogios! É muito gratificante receber este tipo de apoio para confirmar a qualidade de um trabalho. E legal que você tenha me descoberto pelo Valores Reais. A dedicação com que o Guilherme o escreve é impressionante!

      Sobre os hedges da carteira, é um assunto que realmente causa bastante dúvida. Tenho como idéia montar um FAQ futuramente sobre o porquê invisto em tal ativo, assim como o porquê da alocação da carteira, etc.

      *Dólar:

      Como investir? Fundos Cambiais, Dólar Futuro, Compra em casas de Cãmbio.

      Quais as taxas? Fundos Cambiais tem taxa de administração, varia em torno de 1% a 3% dependendo do Banco

      Qual forma eu investo? Fundo Cambial Bradesco (taxa adm = 3%). Link

      Opções? Quando o assunto é Fundo Cambial, o BB têm um histórico de bom desempenho, além de taxa de adm menores. Além disso, eles também tem Fundo Cambial Euro.

      Por que invisto? Para diminuir a volatilidade do portfólio, através de uma correlação negativa com a bolsa. Em momentos de crise é um ótimo ativo, já que garante um certo hedge em relação à Bolsa e tem liquidez diária, permitindo realocar (vender Dólar e comprar Bolsa) a carteira com facilidade. O custo que tenho é a taxa de administração de 3% a.a. Entretanto, o fundo, descontando a taxa, costuma ficar entre 0% e -1% atrás do Dólar Comercial.

      *Ouro:

      Como investir? Cartões Ourominas, Ouro BM&F, Gold Bullion. Veja mais detalhes neste artigo do site Economia e Finanças.

      Quais as taxas? A Ourominas cobra frete, seguro e um spread em relação ao preço de mercado. Se considerar todos esses custos sai uns 10% sobre 10g de Ouro, ou uns R$ 70,00 sobre os R$ 700,00. Muito Caro!

      Ouro BM&F não tenho certeza sobre as taxas. Porém, o pessoal que investe diz que a taxa de custódia é cara.

      Qual forma invisto? Meus investimentos foram através do cartão Ourominas. Porém, o custo realmente foi alto e para vender só com eles. Particularmente, discartaria a opção pela Ourominas. O barato acabou saindo caro.

      Por que invisto? O Ouro atua como um triplo hedge. Ele é tanto hedge da Bolsa, apresentando uma correlação negativa (porém menos intensa do que o Dólar) e ao mesmo tempo ele pode atuar como um hedge do Dólar e também da inflação. Não é tão perfeito como parece, mas é um ativo que tenho um target entre 5% e 10% da carteira pelos benefícios da diversificação.

      Acho que um artigo mais elaborado sobre como investir em Dólar, Euro e Ouro seria muito bem-vindo aqui no blog. Assim que tiver melhores referências publico ele aqui.

      Caso tenha alguma dúvida sobre as respostas sinta-se à vontade para comentar.

      E continue conosco! Aproveite para conhecer melhor o site!

      Grande Abraço!

  11. Bruno Peruchi disse:

    Oi Henrique, voltei.
    Eu discordo em alguns pontos sim. Vamos ver se eu consigo explicar eles:

    1- LFT x LTN: Pegando os dados de hoje (12/8), a LTN2013 tem taxa de 11,89% e a SELIC diária está em 10,66% com LFT 2013/15 com ágio de 0,00%. Esse spread LTN/LFT de 1,23% é suficiente para colocar a LTN como opção dominante? Sim, sinceramente sim. Existe o cenário onde SELIC passa nos próximos anos de 12%? Sim, é relevante? Não. A tendência de longo prazo do Brasil é se tornar um país razoavelmente decente em termos financeiros, isso significa juros sensatos. Vc tá remando contra a maré nesse caso. Diversificação por diversificação não significa nada.

    2- Dólar. Vamos lá, câmbio nominal a longo prazo é função do poder de compra das moedas. Vc sabe como o Bernanke ou o Meirelles está pensando agora? Não. Dá para saber quais deles vai girar a manivela da maquininha de imprimir dinheiro mais rápido? Não. A expectativa de variação do câmbio sem qualquer informação é 0. Soma a isso o fato que se está pagando taxa de adm para se ter essa expectativa de 0, vc tem uma expectativa líquida do fundo cambial negativa a longo prazo. “Ah, mas eu gosto de dólar pela correlação negativa com a bolsa!” Faz algum sentido colocar um ativo no portfólio com expectativa negativa apenas pela correlação negativa com outro ativo? Na minha opinião, sem dúvida, não.

    3- Ouro de fato apresentou variação nominal perto da Selic nos últimos 10 anos. Uma amostra de maior tempo mostra que os ganhos reais foram bem menores. Existe alguma análise mostrando que a demanda por ouro deve exceder facilmente a sua oferta para justificar os preços crescentes em termos reais? Desconheço. Quanto a justificativa de utilizar com hedge a bolsa… Correlação por correlação, a da bolsa com câmbio é bem mais sifnificativa.

    4- EURO11 é um fundo bem mediano comparado com as suas opções. Se vc me disser que vc mantém ele por imposto diferido, ok aceito. Mas se vc mantém pela justificativa de sempre de diversificação, então diversifica com outro melhor.

    5- WPLZ11B – Ok, senso simples, WPLZ não é uma ação turnaround, ele é mais uma ação do tipo dropdead sinceramente. Dizer que vc pode manter ele em carteira porque o mercado não precificou os rendimentos futuros é o mesmo que dizer que vc não jogou a granada sem pino porque vc não ouviu o BUM ainda. Cara, joga fora logo.

    O motivo pelo qual eu gastei os meus últimos 10 minutos escrevendo isso não é porque eu realmente me importo com as tuas escolhas de carteira, é porque esse é um blog razoavelmente grande, e isso implica numa possível situação de risco moral (ou como diria Tio Ben: “Com um grande poder vem uma grande responsabilidade”). Ou seja, muito cara que não tem nenhum noção de nada vem aqui recomendado por um amigo, e pensa: “Legal, esse cara tem um blog insano, eu vou copiar a carteira dele.” As tuas decisões (especialmente as ruins) impactam outras pessoas também, é essa situação que pode ser complicada às vezes.

    Resumo:

    a) LTN quanto mais longa melhor.
    b) LTN é hoje melhor que LFT.
    c) Ouro e dólar é um grande No-No!
    d) WPLZ é uma granada sem pino.

    • Henrique Carvalho disse:

      Fala Bruno, tudo bem?

      Acho que nossas discordâncias se devem basicamente as filosofias de investimentos de cada um.

      Estou planejando criar um FAQ para a carteira HC Investimentos. Colocarei suas perguntas, assim como minhas resposta completas lá.

      Obrigado pelas reflexões críticas.

      Aliás, percebi que você escreve artigos para o Monitor de Investimentos. Você tem algum blog?

      Abraços!

  12. Henrique, obrigado novamente pelas palavras!

    Aliás, hoje eu vi um anúncio da Rio Bravo no jornal Valor sobre o lançamento de um novo produto – FIP – Fundo de Investimentos em Participações – com foco no setor de energia. O problema é que as cotas são só para investidores “qualificados”, e a aplicação mínima é de R$ 1 milhão, salvo engano. Além disso, os prazos são bem longos, e a gestora, pelo pouco que eu li, pretende usar os recursos para participar das decisões das empresas nas quais mantém investimentos, como se fosse um investidor do tipo “ativista”, como o Lírio Parisotto.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Guilherme!

      É uma pena que alguns tipos de aplicações estejam tão restritas aos investidores qualificados. Realmente o mercado financeiro brasileiro ainda tem muito caminho pela frente para se modernizar.

      Obrigado pelo seu comentário.

      Grande Abraço!

  13. Francisco disse:

    Olá Henrique,

    Falando em Fundos Imobiliários de maior valor para ingresso, o que você acha do RB Capital Desenvolvimento Residencial II ? Ele está em fase de oferta publica, mas requer um investimento mínimo de R$150 mil.

    Outros lançamentos que também mereceriam uma analise é o da Kinea e o Shopping Largo 13.

    Abraços,

    Francisco

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Francisco!

      Para ser sincero não tenho acompanhado muito as novas emissões que, aliás, estão a todo vapor!

      Prefiro analisar o histórico do fundo: Aluguel mensal médio, liquidez antes de entrar em um IPO.

      Portanto, infelizmente, não posso de dar uma resposta adequada para sua pergunta.

      Grande Abraço!

  14. Vera disse:

    Olá Henrique, tb o parabenizo pelo excelente blog cujo qual descobri a dois dias.
    Tenho em minha carteira algumas cotas do Hotel Maxinvest (HTMX11B) que comprei por indicação de um amigo, mas gostaria da sua opinião quanto a esse Fundo (se for possível). Tenho também FLMA11, EURO11, FFCI11 e NSLU11B.
    Abraços.

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Vera!

      Seja bem-vinda ao blog!

      O Fundo Hotel Maxinvest tem melhorado bastante sua distribuição mensal nos últimos 6 meses, fato que está puxando um pouco o valor das cotas para cima. Quem o adquiriu antes deste período está com um ótimo rendimento nele.

      Particularmente, considero um ótimo fundo, já que é um dos poucos, senão o único, que oferece a possibilidade de investir no setor hoteleiro.

      Sua carteira de fundos está ótima, com excelentes fundos e ótimo poder de diversificação.

      Qualquer dúvida, crítica ou sugestão estou à disposição!

      Grande Abraço!

  15. Olá Henrique!
    Conheci o blog a pouco tempo e estou gostando muito.
    Agora uma dúvida: Por que você não coloca um gráfico comparando todos estes FIM, que você utiliza como referência, com a sua carteira desde a criação na base 100? Pelo que percebi do gráfico postado, as rentabilidades já começaram em patamares diferentes.
    Um abraço.

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Caio!

      A base de comparação seria o final de dezembro/2009.

      Os gráficos começam em patamares diferentes pois este ponto reflete a rentabilidade no mês de janeiro. Depois, em fevereiro, a rentabilidade se acumula (janeiro e fevereiro) e assim por diante.

      Vou colocar esta observação nas próximas edições. Obrigado pelo comentário!

      Sempre que tiver dúvidas ou sugestões sinta-se à vontade para deixar um comentário!

      Grande Abraço!

  16. Bruno Peruchi disse:

    Oi Henrique,

    Eu acho que os pontos de discordância são devido a mais do que apenas filosofia, mesmo porque eu não acho que tenho alguma.

    Sim, eu escrevo para o MI (embora já faz um bom tempo desde o último post lá). Vc sabe que essa idéia de manter um blog já me ocorre faz um tempo, eu até tinha um no ar que eu fiz para um amigo, mas ele pediu para eu tirar do ar por discordância de opinião.
    Eu gosto da idéia, mas a verdade é que eu sou um cara meio relaxado. Eu vejo por exemplo como vc mantém o seu blog. Eu realmente admiro e invejo o cuidado que vc tem com ele, acho difícil que eu conseguisse fazer o mesmo. O que eu gosto de fazer é analisar idéias, estratégias, raciocínios, mitos financeiros, … o que seja, desde que se consiga obter alguma resposta/conclusão de dados financeiros.

    Se vc por acaso quiser ajuda em alguma análise, me manda um email. A gente pode pensar junto, nós temos a mesma idade e os mesmo interesses no final do dia.

    • Henrique Carvalho disse:

      Olá Bruno!

      Muito legal seu comentário.

      Seria interessante conhecer melhor suas idéias e estudos sobre diversos temas. Podemos nos falar melhor por e-mail, que aliás, acabei de lhe enviar um.

      Grande Abraço!

  17. […] deseje ver os detalhes de como chegamos à esta alocação veja os comentários que fiz sobre a alocação final no mês de julho de 2010 sobre a Carteira HC […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: